quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

ESTUDO DA EPÍSTOLA DE PAULO AOS EFÉSIOS


Resumo do Capítulo 2 de Efésios

A PROFUNDIDADE DA VIDA EM PECADO

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”.

Se desejarmos conhecer a grandeza do poder de DEUS, e imprescindível que conheçamos a profundidade do nosso pecado.
Precisamos compreender a gravidade do nosso pecado, e como DEUS teve que defrontar com ele na cruz. Aqui nesses versículos, Paulo está nos conduzindo para o abismo do nosso velho estado caído em Adão, para logo em seguida elevar-nos aos lugares celestiais da nossa redenção.
Quando Estudamos a epístola aos Romanos, vemos que o livro de Romanos trata da questão do pecado e dos pecados.
Nesses versículos 1 a 3 de Efésios 2, podemos medir o poder de DEUS na nossa salvação. O argumento de Paulo aqui é que tenhamos a verdadeira concepção do abismo de pecado onde nós nos encontrávamos sem DEUS.
Aqui estamos diante da doutrina do pecado. Nessas palavras de Paulo podemos ter uma descrição da profundidade do nosso pecado.
Jamais vamos compreender a doutrina da encarnação se não entendemos a doutrina do pecado. Como poderemos entender a morte do nosso SENHOR JESUS em nosso lugar, o que Ele fez lá na cruz, se claramente não entendermos a doutrina do pecado.


“O AMOR A GRAÇA E A MISERICÓRDIA DE DEUS”

“Mas DEUS, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com CRISTO, — pela graça sois salvos”.

Vamos estudar sobre os três grandes temas da Bíblia nesses textos: a misericórdia o amor, e a graça de DEUS.
A misericórdia está relacionada à nossa condição presente, isto é, o estado de decadência em que o homem se encontra sem DEUS. É justamente isso que encontramos nesses versículos supracitados.
Quando chegamos ao estudo do amor de DEUS, somos conduzidos pelo Seu ESPÍRITO a mergulhar naquilo que é mais profundo em DEUS, naquilo que nós jamais poderemos compreender por nós mesmos.
O amor de DEUS é infinito, incalculável e o homem jamais chegará à compreensão total desse amor. Ter sido escolhidos eternamente, diz Paulo, foi uma obra de amor.

“Mas DEUS” – (Ef 2.3)

A palavra “mas” é uma conjunção e, contudo sugere contraste, e aqui temos a conexão e o contraste. Com estas duas palavras chegamos à introdução da mensagem cristã, a mensagem peculiar e específica que a fé cristã tem para oferecer-nos. Num sentido, estas duas palavras contêm, em si e por si, a totalidade do Evangelho.
A palavra “mas” introduz um ponto de transição do estado decaído e desesperado em que o homem vivia no pecado para a esperança e consolação do Evangelho. Essa expressão “mas DEUS”, revela-nos a totalidade da vida cristã.

Primeiro a misericórdia se manifesta por causa da pobreza da nossa condição; a graça fala da glória radiante da posição que temos em CRISTO. Segundo o sentimento que DEUS tem para conosco quando somos pecadores é misericórdia; a obra que DEUS realiza para nos tornar Seus filhos é graça. Por últimos, a misericórdia vem do amor e resulta em graça

A ira de DEUS – (Ef 2.3)

Para entendermos a doutrina do amor de DEUS, precisamos estudar primeiro a doutrina da ira de DEUS. Sem a compreensão da ira de DEUS nós não vamos entender o amor de DEUS por nós. A primeira visão que devemos ter do pecado, é que o pecado acarretou uma desordem tão profunda que é necessário uma reparação ou restituição, isto é, a expiação.
A expiação é uma necessidade porque emerge de dentro do próprio DEUS. O pecado afetou a posição do homem diante de DEUS. Paulo diz em Efésios capítulo 2 que “todos nós éramos por natureza filhos da ira”. Isto indica que todos nós estamos sob a ira de DEUS por natureza.


A ESSÊNCIA DO CRISTIANISMO

“e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em CRISTO JESUS; para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da Sua graça, pela Sua benignidade para conosco em CRISTO JESUS”.

Quando lemos esses versículos podemos dizer explicitamente que aqui temos declarações profundas com respeito à condição e a situação do cristão que se pode achar nas Escrituras. Temos aqui diante de nós as expressões que nos revelam o verdadeiro cristianismo; a essência do cristianismo. Ao lermos esses textos chegamos à totalidade da vida cristã na sua experiência prática. Quando Paulo diz: “Ele vos deu vida... nos ressuscitou... e nos fez assentar...”, ele usa os tempos verbais no passado. É algo que se completou, uma vez por todas. Este é o mistério e a maravilha mais esplêndida em relação a nossa salvação, é a realidade mais gloriosa que jamais poderemos tocar, por ser tão profunda. Mas, graças a DEUS podemos desfrutá-la em nosso espírito


A SUBLIMIDADE DA RIQUEZA
DA GRAÇA DE DEUS

Efésios 2.7

“Para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em CRISTO JESUS”.

Depois de estudar sobre a posição a qual fomos elevados em CRISTO no nosso estudo anterior, agora o apóstolo Paulo nos leva a ultima declaração que ele começou no versículo 4. Ele diz qual foi o propósito de DEUS em tudo que Ele realizou por meio de CRISTO. É importante lembrar que Paulo inicia essa seção da epístola aos Efésios mostrando da onde foi que DEUS nos salvou. Primeiro ele revela a profundidade do nosso pecado, e então, ele prossegue e nos diz que Ele nos deu vida quando estávamos mortos em nossos delitos e pecados, quando éramos filhos da ira, e andávamos segundo o princípio operante no mundo, como escravos dos nossos pensamentos e da nossa carne, e então, Ele diz que DEUS em Seu amor, misericórdia e graça, juntamente com CRISTO, nos ressuscitou e nos fez assentar nos mais altos céus.
Então agora, o apóstolo Paulo vai nos mostrar a Sublimidade da Riqueza da Graça de DEUS para conosco. Para então, enfim, vislumbrarmos com um mínimo de entendimento a tão Grande Salvação em CRISTO JESUS. Nesse estudo poderemos contemplar o ponto mais elevado desse ensino.
Veja que Paulo inicia esse versículo 7 dizendo: “para mostrar...”. Aqui ele dá-nos a razão daquilo que DEUS fez quanto a nossa salvação no conselho de Sua vontade.

O POEMA DE CRISTO

“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de DEUS; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em CRISTO JESUS para boas obras, as quais DEUS de antemão preparou para que andássemos nelas”.
Efésios 2.8-10


Nesses textos encontramos as declarações que definem o caráter da obra da evangelização como também, o sentido prático da vida cristã.
Aqui nesses textos estamos diante das verdades mais contundentes do ponto de vista relacional da vida cristã. Aqui está o significado da realidade cristã no contexto doutrinário, daquilo que podemos chamar a doutrina que nos revela o caráter de DEUS, em Seu supremo propósito.
Em vistas a tudo que temos considerado até aqui, o que é que precisamos compreender em relação a nós mesmos como cristãos?
Quando estudamos esse assunto, somos confrontados pela Palavra de DEUS, a nos examinarmos à luz de tudo isso.
Estudando a salvação do ponto de vista da obra do Pai e do Filho, temos diante de nós as incomensuráveis, sublimes e insondáveis riquezas da graça de DEUS. Será que essas verdades geram em nós um senso de alegria e privilégio? Será que nos damos conta de tudo isso em nossa experiência cristã?
Paulo diz no versículo 10 de Efésios 2, que “somos feitura Dele”. A palavra grega para “feitura” é poema – é dessa palavra poema em grego que vem a nossa palavra “poema” em português. Isso significa que somos algo feito por DEUS.

A GLÓRIA DA CRUZ DE CRISTO NA EDIFICAÇÃO DA IGREJA

Efésios 2:11-17

“Portanto, lembrai-vos de que, outrora, vós, gentios na carne, chamados incircuncisão por aqueles que se intitulam circuncisos, na carne, por mãos humanas, naquele tempo, estáveis sem CRISTO, separados da comunidade de Israel e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem DEUS no mundo. Mas, agora, em CRISTO JESUS, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de CRISTO. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos em um só corpo com DEUS, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade.E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto”

Nesses textos podemos notar uma significativa mudança temática de Paulo. Desde o versículo 1 desse capítulo 2, até o versículo 10, Paulo falara da questão da nossa salvação de um modo estupendo. Creio que não podemos deparar com algo que se compare com aquilo que ele escreve nesses versículos 1 a 10 de Efésios 2. Agora, portanto, podemos notar uma clara divisão nesse capítulo 2. Paulo vai nos mostrar a doutrina da obra da cruz de CRISTO.
Como a cruz nos tirou de um estado de desolação e nos levou para dentro de CRISTO. E nessa experiência, fomos unidos num corpo, com todos aqueles que pela cruz foram alcançados pelo Evangelho.
Nesses versículos 11 a 17 de Efésios 2, Paulo retoma o assunto sombrio da nossa velha vida. E precisamos entender o por quê ele procede assim.
Paulo nos mostra primeiramente que antes da cruz operar em nós, estávamos: “sem CRISTO, separados da comunidade de Israel, e estranhos a aliança da promessa, não tendo esperança e sem DEUS no mundo” - (v.12).
Um novo homem – Uma definição da Igreja

O apostolo Paulo diz no versículo 15 de Efésios 2: “aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz”. Segundo Paulo a Igreja é “um novo homem”. Porque o “velho homem”, isto é o judaísmo com todas as suas tradições não agrada a DEUS. A Igreja do SENHOR JESUS é uma questão de pessoalidade e não de instituição ou organização.
Tudo que DEUS perdeu em Adão, agora Ele alcança nesse “novo homem”. Que verdade impressionante está diante de nós aqui nesses textos que Paulo escreveu aos Efésios. Que o ESPÍRITO SANTO nos ajude a reter essa palavra dentro de nós.

“Acesso ao Pai em um ESPÍRITO” – Ef 2.18

Quando a Bíblia diz que temos “acesso”, ela está dizendo que temos acesso à “comunhão do ESPÍRITO SANTO em nós, ao testemunho da vontade de DEUS em nós; ao amor infinito de DEUS. A um lugar de liberdade e comunhão que não podemos imaginar”.
Quero fazer uma simples análise da palavra “acesso”. No grego é prosagoge, que descreve o “relacionamento com DEUS pelo qual nos tornamos aceitável a Ele e recebemos a certeza de que ele nos olha com favor”. Essa palavra ocorre somente três vezes em todo Novo Testamento, e descreve algo impressionante. Vamos ler Romanos 5.2: “por intermédio de quem (CRISTO) obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça (Justificação – Rm 5.1) na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de DEUS”.

Nossa identidade celeste – Ef 2.19

Há algo que temos que entender sobre o estilo de Paulo nesse capitulo 2 da epístola aos Efésios. Veja que ele sempre começa lá de baixo, lá das profundezas da nossa incapacidade; lá das profundezas da nossa velha vida adâmica, onde um dia vivíamos como escravos do pecado. E então, ele vai subindo como em degraus, nos ascendendo a glória da graça de DEUS. Isso é lindo! Paulo diz: “Assim [conjunção conclusiva], já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de DEUS”. Por causa desse “acesso”, não somos “estrangeiros”.

A PEDRA FUNDAMENTAL DA EDIFICAÇÃO DA IGREJA

Efésios 2:20-22

“edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, CRISTO JESUS, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao SENHOR, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de DEUS no ESPÍRITO”.

Nesta seção do estudo da epístola aos Efésios, iremos estudar sobre a “Pedra fundamental” da edificação da Igreja. Paulo havia dito que nós a Igreja, fomos unidos em um só Corpo pela Cruz de CRISTO, que agora, ele vai nos dizer como estamos sendo edificados. Creio que entender isso é fundamental para compreendermos a natureza e a identidade da Igreja.
Creio que o único modo pelo qual podermos compreender o verdadeiro significado da Igreja, sua natureza, sua identidade e o propósito pelo qual ela está aqui na terra é estudar esses versículos finais (20-22) de Efésios capitulo 2. Paulo diz: “edificados” – aqui a palavra grega é epoikodomeo, que provém de dois vocábulos: epi, que é uma preposição, que significa: “em cima de”, “sobre”; e oikodomos, que traduzindo para o português são os verbos transitivos direto “construir”, e “edificar”; então, epoikodomeo, significa “edificar sobre”, “construir sobre”. Então veja, que Paulo diz que fomos “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas”.
Em 1 Coríntios 3.11, Paulo diz: “Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é JESUS CRISTO”. É interessante notar que Paul diz “JESUS CRISTO”; ora o que isso quer dizer? “JESUS” refere-se à pessoa de CRISTO, e “CRISTO” refere-se a Sua obra. Então esse fundamento está baseado na pessoa e na obra de “JESUS CRISTO”. Naquilo que Ele fez, e naquilo que Ele é.

“a pedra angular”

A “pedra de esquina” é a pedra que dá inicio ao alicerce no ângulo da estrutura, pela qual o arquiteto fixa um padrão para o suporte das paredes laterais e das paredes transversais de todo o conjunto. Essa “pedra de esquina” não somente mantém juntas todas as outras pedras subsidiárias do alicerce, mas também as entrelaça e entrelaça todas as paredes. Ela está na esquina e tudo é sustentado por ela, e tudo é entrelaçado por ela.
Em Mateus no capítulo 16 e o versículo 18, o SENHOR JESUS disse: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e os portais do Hades não prevalecerão sobre ela”. Nenhum outro texto bíblico, tem dado motivo a tantas e tão variadas interpretações. Creio que só o SENHOR pelo Seu ESPIRITO poderá nos ajudar a compreender essa grandiosa revelação da Sua santa e poderosa Palavra.
Quando Ele diz: “Edificarei” - (oikodoméso, composto de oîkos — casa, e doméo, cognato de démo — construir), futuro do indicativo, metafórico, comparando a Igreja a um edifício, ainda por ser erguido. O SENHOR elaborou um projeto organizacional da Igreja, que só viria a assumir feição objetiva ou concreta na ação do ESPÍRITO SANTO no Pentecoste, o divino Paracleto a dirigir os apóstolos em sua consolidação. Quem edifica a igreja é CRISTO. A palavra que tem que ser pregada na igreja é CRISTO, crucificado. A igreja não é edificada por nada que não seja CRISTO. Nada que não revele CRISTO, nada que não traga visão maior da pessoa e obra de CRISTO. O ministério existe na igreja para mostrar CRISTO. Que sejamos guardados nessa verdade!
Graças a DEUS que o fundamento da Igreja é CRISTO. A Igreja está sendo edificada em CRISTO. Ele é o elemento vivo no qual ela está sendo edificada. Agora, veja bem, Nós só podemos tocar no assunto Igreja na medida da nossa compreensão do assunto CRISTO. Nossa mensagem não é a Igreja. Nós pregamos a CRISTO. Quando pregamos a CRISTO, temos a igreja.

Nenhum comentário: